Páginas

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

Chevron interrompe exploração de gás de xisto na Polônia


A gigante de energia dos EUA Chevron Corporation anunciou ontem que vai parar de explorar gás de xisto na Polônia, através do “fracking”, um sistema que ainda não conseguiu cumprir sua promessa inicial de transformar o abastecimento de energia da Europa oriental.
A unidade polaca da Chevron "decidiu descontinuar as operações de gás de xisto na Polônia pois inexistem oportunidades de competir favoravelmente com outras oportunidades no portfólio global da Chevron", disse a empresa em um comunicado.


Exxon Mobil, Total e Marathon Oil também interromperam a exploração de gás de xisto na Polônia nos últimos três anos. Elas, e outras empresas de energia, foram originalmente atraídas pelas estimativas de enormes reservas de gás de xisto na Polônia.
Mas desde que iniciaram a exploração, as estimativas foram rebaixados várias vezes e além das condições geológicas para a perfuração terem sido difíceis, os executivos do setor se queixam de incerteza sobre a regulamentação do governo.
Nos últimos meses, a queda acentuada dos preços mundiais de energia obrigou as grandes empresas de energia cortar gastos e puxar o freio dos projetos de investimento.
O gás de xisto também está sob nuvens negras na Romênia, onde a Chevron também está ativa. O primeiro-ministro Victor Ponta, disse em novembro do ano passado que parecia provável o país não tem gás de xisto, apesar dos esforços para encontrá-lo.
Os governos da Europa Oriental, especialmente Polônia, Romênia e Lituânia, abraçaram o gás de xisto com entusiasmo, porque eles viram isso como uma forma de reduzir a sua dependência da energia importada da Rússia .
Eles veem essas importações como uma fonte de vulnerabilidade, porque eles têm relações tensas com o Kremlin, e seus suprimentos foram interrompidos no passado.
No entanto, a Europa Oriental persegue a diversificação do aprovisionamento por outros meios, principalmente por meio de importação de gás natural liquefeito a partir de fontes como o Qatar, e pela construção de melhores conexões com rede de gasodutos da Europa ocidental.

Comentário de Ivo Pugnaloni, Presidente da ABRAPCH:
Quando se leva em conta que na área de planejamento energético do Brasil em maio de 2013, ouvimos de autoridades a afirmação de que o gás de xisto era a “solução de todos os nossos problemas”  e que a “solução não eram as PCHs mas as termelétricas de CVU baixo, situadas na boca do poço que Eike estava instalando”, o desgosto e a incerteza percorrem nossos pensamentos.
Depois da proibição do “fracking” na Escócia anteontem, agora foi a desistência da Chevron na Polônia. No Brasil, dos cinco blocos leiloados, três já tiveram contratos suspensos pela Justiça Federal, no Sul do Maranhão, Oeste do Paraná e Oeste da Bahia. Todas por coincidência, regiões de grande produção de soja, milho, avicultura e suíno cultura. Será que é coincidência a seleção de regiões em que nossa agricultura é muito mais produtiva do que outros países concorrentes ou a intenção era mesmo envenenar nossos aquíferos enormes nessas regiões? No Brasil ainda estão livres para exploração as áreas leiloadas no Acre e no Norte do Mato Grosso.
Por falar nisso, alguém ouviu as conhecidas organizações que são sustentadas pelas empresas de petróleo para fazer campanha contra as hidrelétricas fazerem qualquer campanha anti-fracking no Brasil e mesmo na Amazônia?
Não soa estranho e hipócrita esse silêncio frente a um método de extração de petróleo e gás tão perigoso para a água? www.frackingnaobrasil.com.br