Páginas

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

A diretoria da ACAMOP já comemora o sucesso do curso de capacitação para vereadores em Toledo

São aproximadamente 300 participantes e a representação de quase 100% dos municípios do Oeste do Paraná.
O curso teve início às 19:00hs de ontem (19/02), com a inscrição e credenciamento dos participantes, serão três dias de capacitação com término no dia 21 sexta ás 12:hs, com entrega dos certificados, temas variados como o potencial do biogás, biometano para produção de energia térmica, elétrica e veicular especialmente através da biomassa, o Fracking (fraturamento hidráulico), dentre outros temas em destaque estão a escola do legislativo, atuação no controle do legislativo, planos e políticas para o meio ambiente nos municípios. Também estão previstos debates e encontro entre os legisladores federais e estaduais.

Esta ação foi fomentada pela diretoria da ACAMOP (Associação de Câmaras e vereadores do Oeste do Paraná) que tem como presidente Amauri Ladwig que explicou a necessidade de uma capacitação permanente dos legisladores para um melhor atendimento a população de seus municípios. Cabe ressaltar que está sendo realizado no Centro de Convenções Ismael Sperafico no munícipio de Toledo-PR gratuitamente. 

Aproximadamente 300 pessoas estão participando do evento, o que leva a acreditar na preocupação dos legisladores do oeste do Paraná, com a busca por informações e principalmente o conhecimento para um bom mandato. Lembrando que alguns alunos de faculdades da região e do Colégio Agrícola de Toledo participam do curso como ouvintes. Mais um fato que esta comprovando o sucesso desta ação da ACAMOP, é a presença inusitada de  Gilson Conzatti, que atualmente exerce o cargo de presidente da UVB (União dos Vereadores do Brasil) e também do vereador de Foz do Iguaçu  Rudinei de Moura, presidente da diretoria estadual da entidade no Paraná, um motivo que está motivando e dando mais tranquilidade aos legisladores que estão participando. Damos também destaque aos vereadores Paulo Rocha, Coquinho, Marino Garcia e Beni, de Foz do Iguaçu que estão participando efetivamente do curso acompanhando o companheiro iguaçuense Rudinei.

Temas
Um dos temas mais polêmicos discutidos no dia de hoje foi o Fracking para extração de gás metano e óleo que está tirando o sono dos moradores das imediações de Toledo.

O que é o Fracking?


O “fracking” ou fraturamento hidráulico (também conhecido pelos nomes de gás de xisto, gás extraído por processo não convencional ou “shale gas”) é considerado um dos processos de produção de energia mais agressivos ambientalmente e está proibido em vários países do mundo. Ele consiste de uma fórmula contendo 609 componentes químicos (alguns deles radioativos) que são injetados no subsolo, sob a pressão de 5 mil atmosferas para fazer o metano se desprender do solo. Antes da injeção desse coquetel químico são realizadas violentas explosões no subsolo para quebrar as rochas sedimentares.

Água da torneira pegando fogo

Nos Estados Unidos, assinalam Nycz e Pugnaloni, agricultores de estados como Pensilvânia, Arizona, Ohio e Colorado lamentam o fato de terem caído no canto da sereia que acenou com uma suposta sorte grande de “ter petróleo na minha terra”. Quando passaram a ver seus rios e a água de suas torneiras pegando fogo viram que estavam com um sério problema nas mãos. Um dos efeitos colaterais desse tipo de exploração é a contaminação dos lençóis freáticos e aquíferos com metano. Após as explosões, o gás sobe do fundo da terra para a superfície e mistura-se com a água dos poços das casas. Além disso, os efeitos da ingestão do metano diluído em água podem causar sérios problemas de saúde envolvendo o sistema nervoso central, fígado e coração.
Os críticos do método denunciam que ele já foi responsável por várias mortes e internamentos antes que esses vazamentos do solo para a água fossem descobertos, uma vez que o metano é inodoro, insosso e incolor. O assunto já virou tema de filme também nos Estados Unidos: “A Terra Prometida” (Promised Land, EUA, 2012), dirigido por Gus van Sant, conta a história de dois funcionários de uma grande corporação da área de energia que desembarcam em uma pequena cidade rural dos EUA, para tentar negociar com os moradores os direitos de perfuração de suas propriedades para a exploração de gás natural. A salvação oferecida pela grande corporação está baseada, porém, em um polêmico processo de extração de gás natural: o “fracking”. O tema parece ter desembarcado definitivamente também ao Brasil.

Outros fatos que merecem serem registrados:

As autoridades de vários municípios estão muito satisfeitos com a recepção dos anfitriões, que com muita dedicação estão recebendo os visitantes, inclusive o almoço foi em um lugar nada convencional, no restaurante popular da cidade com o custo de apenas R$ 2,00 (Dois Reais), os vereadores que almoçaram junto com a população ficaram perplexos com a saborosa refeição e o conforto do lugar público, teve muita gente querendo levar a ideia para seus municípios.

Fonte: Informativo Paranaense - 20/02/2014