Páginas

terça-feira, 29 de julho de 2014

Preço de energia deve manter alta nos próximos anos, avalia Tractebel.

Os preços de energia no mercado livre deverá manter a tendência de alta nos próximos anos. A perspectiva é de que os valores dos contratos mantenham o patamar de R$ 140 a R$ 150 por MWh. Ainda assim seria um valor equivalente ao que se verificou em 2008, sem a atualização pela inflação nesses seis anos. Essa é a avaliação do diretor Financeiro e de Relações com Investidores da Tractebel, Eduardo Sattamini.



O executivo que apresentou nesta segunda-feira, 28 de julho, os resultados do segundo trimestre de 2014, disse que há mercado para o longo prazo e que esses acordos estão precificados. Ele, contudo, não se arriscou a avaliar se esse movimento decorre do preço da energia propriamente dita ou se é apenas o efeito psicológico sobre os consumidores diante do momento de escassez que o mercado vive atualmente.

“Quando olhamos para o passado recente em 2007 a 2009, esses preços de R$ 150 por MWh estão mais que razoáveis. Os valores de 2008 hoje estariam a R$ 200 o MWh, o que na minha percepção estão situados a patamares razoáveis depois de um momento de expansão barata e que não eram factíveis no longo prazo”, avaliou o executivo.

O executivo revelou ainda que em conversas com comercializadores verifica que a cada semana os valores estão mais elevados para os anos de 2017 a 2019. Até porque a empresa não tem energia disponível para vendas bilaterais antes desse período. Ele disse que a empresa atende a clientes, mas atuando com trading, não realizando a venda direta. “Ninguém mais está vendendo energia para 2015 porque é um produto escasso”, acrescentou ele.

Em termos de expansão da capacidade, Sattamini disse que a Tractebel está negociando com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social o financiamento para a expansão da  UTE Ferrari que passará de 23,2 MW médios par 35,6 MW médios e investimentos de R$ 85 milhões. Outra negociação ainda em curso é para o financiamento do Complexo Eólica Santa Mônica que está orçado em R$ 460 milhões e que fica próximo ao de Trairi, no Ceará.

Fonte: Canal Energia - 29/07/2014