Páginas

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Milhares marcham em Castellon e Baleares contra a exploração de petróleo

Presidente José Ramon Bauza, participar na marcha em Ibiza e Ministro replica Soria, garantindo que a mobilização não tem "nenhuma consideração partidária ou política"
Mais de 15.000 pessoas têm inundado em Balearic em uma maré azul contra a exploração de petróleo, em uma cerimônia organizada pela plataforma cidadã "Baleares diz não e Amigos da Terra" , que envolveu membros de todos os grupos políticos , incluindo o presidente do governo , José Ramon Bauza , que se mudou para a ilha de Ibiza , onde o evento foi mais lotado.

Em Palma, 5.000 pessoas marcharam desde o parque Sa Feixina, passando pelo Paseo Sagrera e em direção ao Parque del Mar. Durante a manifestação cantaram hinos como " Islas diz não" ou "o Mediterrâneo não se vende "e foi possível ler cartazes como "ouro negro é a morte, não ao genocídio marinho". Um porta-voz das "Baleares Diz Não a Maiorca" , Marc Tur, disse que as pesquisas são um "ataque sobre o meio ambiente ", que poderiam causar "danos à imagem das Ilhas Baleares e tem consequências econômicas negativas , que podem ser irreparáveis ​​" .

O evento envolveu políticos de todos os grupos políticos , tanto PP quanto do PSIB . 

Em Ibiza se manifestaram mais de 10.000 pessoas em uma marcha que saiu do Passeio Vara de Rey , visitando a Avenida Santa Eulália e parte do calçadão. Com sinais como "Errar é humano. Retificar é possível " ou "Não ao petróleo e sim a renovável " os residentes de Ibiza , assim, mostraram sua rejeição às pesquisas.

O presidente do Governo , José Ramon Bauza , cuja presença nas marchas não tinha sido anunciado, reiterou em Ibiza que o Executivo Baleares "age de acordo com o que ele considera o melhor para as ilhas , sem quaisquer considerações políticas ou partidárias." O líder é popular e tem sido referido o cargo de Ministro Soria em relação a projetos de petróleo na região do Mediterrâneo . Então , insistiu que o PP balear se move com base em "considerações de bom senso quando rejeitamos as pesquisas e faremos o nosso melhor para não levar estas a cabo."

Além disso, mais outras 500 pessoas participaram da manifestação em Mahon também para protestar contra a exploração de petróleo que estão a ser realizados no Mediterrâneo. "Isto não é uma questão ideológica , mas sim, de interesse e preocupação para toda a Menorca ", disse o presidente do Consell , Santiago Tadeo , que acrescentou que Baleares "sempre foi muito deixada de lado e não podemos aceitar que façam isso."

Além disso, cerca de 5.200 pessoas, segundo a polícia local, apoiaram neste sábado em Castellón a manifestação contra a exploração de petróleo nas proximidades das Ilhas Columbretes, convocada pela Comissão Interfederativa de Pescadores da Região , uma marcha que, segundo os organizadores, foi " um sucesso" porque ter integrado diversos grupos , incluindo os pescadores , ambientalistas, partidos políticos , hoteleiros e cidadãos. O evento aconteceu ao meio-dia partindo da Praça da Independência com uma faixa onde se lia: "por um mar limpo e futuro, não o óleo."

Segundo o presidente da Comissão Interfederativa, José Ortega, a marcha reuniu "muito mais pessoas do que o esperado" e revelou a unidade social contra um projeto que só se preocupam "o governo e a empresa " como beneficiários. "Toda a sociedade está dizendo não" disse o líder, que enfatizou a necessidade de se manter em movimento para " se impôr à burocracia estatal."

Por sua vez , a Plataforma Antifacking, que também participou do evento ,destacou que as pesquisas são território "mais uma agressão", "neste caso, ao mar", disse o porta-voz do grupo, Esteban Domenech.

Por sua parte, o ministro da Indústria, Energia e Turismo, José Manuel Soria, expressou seu respeito pela mobilizações e iniciativas contra a exploração de petróleo e diz que a Declaração de Impacto Ambiental (EIA) ainda "vai estar funcionando por muito tempo." "Pesquisas autorizadas no Golfo de Valência e que estão autorizados entre cerca de 30 e 60 km do arquipélago das Baleares são autorizações concedidas durante o estágio do governo anterior", disse nesse sábado, em um comunicado à imprensa.

Fonte: Publico.es - 22/02/2014